Mariene de Castro por Badi Assad

marienedecastro

Mariene de Castro deu sua primeira entrevista ao jornal do local onde sua mãe trabalhava com apenas 2 anos e respondeu quando a perguntaram do que ela mais gostava: dançar, cantar e usar batom, respondeu… E este prematuro e singelo testamento a guiou pela vida.

Aos 5 anos começou a estudar balé e, como uma verdadeira princesa negra, foi aperfeiçoando seu rodopiar. Aos 12 iniciou seus estudos de canto e descobriu-se dona de uma voz rara, a de contralto. Com essa voz percebeu que podia servir-se a um dom maior…

Mariene é filha de Oxum, Orixá que se destaca por ser dona das águas doces dos rios, lagoas e cachoeiras. O francês Pierre Verger definiu suas filhas assim: “O arquétipo de Oxum é das mulheres graciosas e elegantes, com paixão pelas joias, perfumes e vestimentas caras, mulheres que são símbolos do charme e da beleza. Sob sua aparência graciosa e sedutora, são voluptuosas e sensuais”.

Mariene é isso tudo. Vaidosa, rodopia seus vestidos rodados, com a boca encarnada, abrindo cantos em homenagem à música de raiz da sua terra. São sambas de roda, pontos de candomblé, marujadas, cocos, maracatus, cirandas….

Leia o texto completo de Badi Assad no site da Top Magazine.

Troféu Cata-Vento 2014

A rádio Cultura Brasil divulgou os vencedores do Troféu Cata-Vento deste ano. Badi Assad foi contemplada com o troféu na categoria “Infantil”, com seu novo álbum “Cantos de Casa”, ao lado de artistas como Nação Zumbi (melhor música).

O Troféu Cata-Vento é a premiação do programa Solano Ribeiro e a nova música do Brasil, que elege, desde 2007, os melhores da produção independente no Brasil.

Ouça o programa e saiba mais sobre a premiação deste ano no link: http://bit.ly/cata-vento2014

#BadiAssad
^EBA

Erykah Badu por Badi Assad

Quando Erykah Badu entra em cena, parece que uma passarela se abre. Não é a toa que a luxuosa grife francesa Givenchy a escolheu como modelo. As fotos são maravilhosas, com sua cabeleira ora servindo de moldura gigante para a beleza de seu rosto singular, ora envolta por turbantes de estampas Afro.

eb

Orgulhosa de sua herança Africana, Erykah nasceu Erica, mas por acreditar que a escrita original era um nome escravo, trocou para Kah, que significa Eu Interior.

Vegana convicta ela diz: “Comida vegana é alimento da alma em sua forma mais verdadeira. O alimento da alma é para alimentar a alma e para mim, a alma é a verdadeira intenção da pessoa. Se sua intenção é pura, você é puro”. Falado e dito.

Leia o texto completo de Badi Assad no site da Top Magazine.

Ani DiFranco por Badi Assad

Eu deixei o ar suspenso, huh? Depois de uma declaração de amor… Vou falar de outra mulher. Uma que pode deixar qualquer um inspirado. Ela nasceu em Buffalo, estado de Nova York e foi lá que se descobriu e começou a se mostrar ao mundo.

difranco

Estou falando de Ani DiFranco e francamente… Ela é fantástica. Bissexual assumida e artista engajada, Ani não tem medo de se expor nem de se arriscar. Nunca teve. Uma destemida guerreira de causas sociais…

Leia o texto completo de Badi Assad no site da Top Magazine.

Clarice Assad por Badi Assad

Sou de uma família de 4 irmãos, eu e 3 homens (Cito, Sérgio e Odair). Eu, a caçula ou ‘rapa do tacho’, para os mais íntimos. Sérgio foi o primeiro a se casar e trazer minha primeira sobrinha.

Clarice nasceu quando eu tinha 11 anos e a tenho mais como irmã do que propriamente tia. Mas como sou tia, sempre fiz questão de ser chamada como tal…

Leia o texto completo de Badi Assad no site da Top Magazine.

LIFEM 2014 – Kings Place – London / UK

O nosso show em Londres deixou boas impressões … O público estava ótimo e nós sentimos a conexão durante toda a noite. Simone, Oleg e eu tocamos coração a dentro! Boas lembranças … E parece que o escritor da World Magazine Music, Teto Parvanov, sentiu o mesmo. Obrigada pela crítica! e também quero agradecer Celine Cruze, pelas lindas fotos! Este vestido incrível é do estilista brasileiro Ronaldo Fraga.

Fotos: Rhythm Passport

Leia mais no site da Rhythm Passport, no link:
http://bit.ly/ba-rhythmpassport

Badi Assad

Jamie Cullum por Badi Assad

ba-jc

Foi na capital paulista (e viva no mundo que não se acabou) onde escutei Jamie Cullum, pela primeira vez. Ainda não conhecia sua presença em cena que o fizera famoso, mas o que ouvi foi o suficiente para me enamorar. Jamie era um conjunto de tradição e modernidade: A voz era meio rouca/meio antiga para sua juventude palpitante; O piano soava moderno e ao mesmo tempo tradicional; Seus improvisos eram contemporâneos e clássicos; Misturava Jazz e pop com distinta excelência; Um jazzista inveterado no corpo de um moleque que, em minha seguinte descoberta, saltava pelo palco com atitudes Rolling Stone.

Leia o texto completo de Badi Assad no site da Top Magazine.